Página Inicial Análises Análise | Review de One Piece Odyssey

Análise | Review de One Piece Odyssey

Um prato cheio para quem é fã da obra!

por Christian Souza
Publicado em Atualizado em 9 minuto(s) de leitura
A+A-
Reset

Lançado no dia 13 de janeiro, One Piece Odyssey traz de volta o bando do chapéu de palha, desta vez com uma nova aventura numa ilha um tanto misteriosa!

Uma aventura um tanto nostálgica

Após avistarem uma ilha no Novo Mundo, o bando do chapéu de palha são pegos por uma tempestade misteriosa, logo são jogados para uma ilha chamada Waford. Com o navio encalhado e sem chances de partir, são obrigados a explorarem a ilha, mas logo são pegos de surpresa quando Lim, uma habitante da ilha, os toca, assim tirando suas habilidades. Por conta disso, são obrigados a revisitar locais passados através de memórias, para então, quem sabe, recuperarem suas habilidades.

Em One Piece Odyssey, há 4 lugares conhecidos a serem visitados, que são: Alabasta, Water 7, Marineford e Dressrosa. Cada um retrata muito bem cada local. Admito que, por mais que tenha sido maravilhoso revisitar esses lugares, eu senti que poderia ter sido um pouco melhor. Digo isso porque muitos personagens interessantes desses locais, no fim, não apareceram, dando mais destaque aos principais vilões de cada arco. Não que isso seja algo ruim, mas acredito que teria sido mais interessante se também tivéssemos mais vilões secundários.

One Piece Odyssey

Algo que me incomodou durante a exploração é que muitas vezes o jogo te obriga a seguir o objetivo principal. Às vezes, você só quer explorar o local novo em que chegou, mas então se vê obrigado a deixar para depois. Não que vá mudar em algo, mas há momentos em que é um tanto chato receber um aviso de que você deve seguir primeiro o objetivo principal.

Cheio de referências para quem acompanha a obra

One Piece Odyssey

Além disso, ficava cada vez mais animado no jogo com as várias referências que One Piece Odyssey possui. Seja o Sanji brigando com o Zoro no meio da batalha, a Nami sempre animada quando o assunto era dinheiro, as piadinhas pra cima do Zoro sobre ele sempre se perder e por aí mais. Pode parecer algo besta, mas isso dava uma profundidade muito boa durante a jogatina!

Não tem como não ficar animado com tantas referências que o jogo joga pra cima de você, o que mostra que de fato foi feito para quem é fã da obra.

Atividades secundárias para encher linguiça

One Piece Odyssey

One Piece Odyssey conta com atividades secundarias, e elas variam entre histórias secundárias, caça à recompensa, que são contratos de piratas que você tem que caçar, vínculo de memória e objetivos, que na maioria das vezes são mais do mesmo. Geralmente matar um número X de inimigos em um determinado lugar ou fazer algo especifico.

No entanto, muitas dessas atividades de One Piece Odyssey servem mais para aumentar a duração do jogo. Uma ou outra com alguns prêmios interessantes e até desfechos bacanas.

Gráficos caprichados

One Piece Odyssey

Não tem como negar que o jogo está bonito. Talvez não seja o jogo de anime que tenha os melhores gráficos atualmente, mas One Piece Odyssey está bem caprichado! Seja nos arredores da ilha, nas cutscenes ou nos arcos, o gráfico está bem-feito!

One Piece Odyssey

A cidade de Water 7 que o diga! É tão bem feito que volta e meia eu ficava observando os lugares. As animações nas batalhas também estão ótimas, tudo muito parecido e fiel com o anime.

E não é que a jogabilidade em turnos deu certo?

One Piece Odyssey

Admito que, quando anunciaram que One Piece Odyssey seria por turnos, fiquei um tanto cético, e não levei fé de que daria certo. Mesmo conferindo algumas gameplays depois, ainda assim não me agradava, mas, jogando, tudo foi diferente. A mecânica de turnos até que combinou bem com a proposta, e aqui temos 3 tipos de ataques, que são: Forte, Técnica e Velocidade. Forte sendo efetivo contra velocidade, velocidade sendo efetivo contra técnica e técnica sendo efetivo contra forte. Todos sendo bem distribuídos para o bando.

Você também pode trocar a posição dos membros durante as batalhas, desde que ainda não tenha feito nenhuma ação com o mesmo.

Em alguns momentos pode se tornar um tanto monótono, mas isso vai melhorando com o tempo, já que conforme você avança no enredo, vai liberando novas habilidades e melhorias pra tripulação.

One Piece Odyssey

Em alguns momentos também ocorrem as batalhas dramáticas, que são batalhas que se ativam sobre certas condições específicas. Durante essas batalhas, os inimigos ficam mais fortes e o objetivo aqui é concluir a condição que é pedido. Não é obrigatório, mas, caso conclua, um bônus de XP é recebido após concluir a batalha.

Alguns membros também tem certas mecânicas especificas para determinadas situações. Luffy pode alcançar locais distantes, Chopper pode entrar em locais pequenos, Usopp pode atirar em itens que estão presos no alto e Zoro pode cortar portas e caixas de metal.

Acessórios para equipar

One Piece Odyssey

One Piece Odyssey também conta com acessórios para se equipar, assim alterando os status dos personagens. Muitos desses itens são pegos avançando na história, completando atividades secundárias, comprando e até explorando o mapa. Todos variam bastante e é interessante porque de fato melhoram bastante o personagem.

Trilha sonora maravilhosa!

Como se não bastasse, One Piece Odyssey tem uma trilha sonora muito incrível! Em diversos momentos eu ficava me perguntando se isso era realmente um jogo de anime de tão bem feito que era. Seja nas batalhas, durante as cutscenes ou até mesmo explorando o mapa, a trilha sonora sempre agradava. Sério.

One Piece Odyssey está atualmente disponível aos consoles PlayStation 4, PlayStation 5 e Xbox Series X|S, além do PC, através da Steam.

One Piece Odyssey foi jogado no PC e sua cópia foi cedida pela Bandai Namco. Agradeço o apoio!


Gostou do que leu? Acompanhe a gente nas redes sociais!

Siga Magnaway onde achar melhor: estamos no , , e na .

Usamos cookies para aprimorar sua experiência, como permitir veiculação de anúncios e manter preferências. Aceitar Conferir Política de Privacidade de Magnaway